Pisco-de-Peito-Azul

Curiosamente a historia dos piscos-de-peito-azul não nasce com eles, mas sim com estorninhos. Varias já tinham sido as tentativas de apanhar os bandos destes últimos nas suas dormidas, contudo sem que os resultados fossem diga-se satisfatórios, talvez por estar completamente influenciado pela visão de tais bandos na holanda é que julgo a situação desta forma. Vai na volta ainda vou lá para o ano.

Bom mas voltando ao que interessa, certo dia e nessas saídas, um amigo que me acompanhava, resolve começar a chamar os piscos para ver se por ali existiam. Tal não foi o espanto quando só aparece um, mas sim dois. Uns dias mais tarde resolvi ir bater terreno naquela zona para confirmar a localização daqueles indivíduos, mas também  de outros em zonas vizinhas.

Desde então resolvi prestar um pouco mais de atenção a esta espécie, foram manhãs e manhãs a ver e ouvir, mas quase sempre sem qualquer tipo de resultados, ou pelo menos os que queria atingir. Já dizia em conversa que mais facilmente encontrava javalis em mato fechado do que piscos-de-peito-azul em zonas abertas.

Muito provavelmente tenha ficado preso à imagem da primeira manhã em que os vi e fotografei, uma manhã com uma leve neblina e com uma luz única, talvez por isso me tenha sido tão complicado os fotografar.

Umas partilho hoje aqui, outras guardo para mim ou para uma outra ocasião.  

Nuno Cabrita1 Comment